A expressão “ir para o beleléu” serve como um eufemismo para indicar morte, desaparecimento ou mesmo uma perda significativa. Originária do vocabulário banto, essa locução foi introduzida no Brasil pelos escravos negros africanos, utilizada para referir-se ao ato de alguém passar para o além, ou seja, entrar na região dos mortos. Com o passar do tempo, no contexto brasileiro, o termo “beleléu” adquiriu novas nuances de significado, abrangendo não apenas a morte, mas também o fracasso, algo que estragou ou mesmo a destruição de algo.

Na Bahia, o uso da expressão assume uma conotação ainda mais severa. Dizer que alguém “foi para o beleléu” pode equivaler a um desejo de que essa pessoa seja condenada ao inferno, refletindo uma intensidade emocional mais profunda no emprego desse eufemismo.

Luis Fernando Verissimo definiu Beleléu como: “Lugar de localização indefinida. Fica além das Cucuias, na fronteira com Cafundó do Judas e Raio Que os Parta do Norte. Beleléu tem características estranhas. Nenhum de seus matos tem cachorro, as vacas estão todas no brejo – e todos os seus economistas são brasileiros.”

Avance mais rápido com um professor

Aprenda idiomas online com um professor particular adequado ao seu orçamento e à sua agenda!

Ver todos os professores →
Compartilhar