O verbo être (ser, estar)

Le verbe être

A melhor forma de apresentar um verbo é conjugando-o. Não proceder desta forma é como conhecer uma pessoa, mas não cumprimentá-la. Por isso, apresento a conjugação desse verbo no presente do indicativo. Como é a primeira vez que conjugamos, ao lado do termo em francês, está a tradução.

Je suisEu sou/estou
Tu esTu és/estás
On/il/elle estEle/Ela é/está
Nous sommesNós somos/estamos
Ils/Elles sontEles/Elas são/estão

A partir desse quadro, podemos tirar algumas conclusões. O primeiro ponto relevante a tratar é o fato de que o verbo être (assim como o to be do inglês) aglutina dois conceitos para os quais há verbos diferentes em português: ser e estar. A distinção deve ocorrer de acordo com o contexto, por isso, merece atenção.

  • Je suis malade (Eu estou doente)
  • Je suis américain (Eu sou americano)

O segundo ponto refere-se ao fato de o leitor atento ter percebido algo diferente entre os pronomes pessoais em francês, o on. Em francês, o pronome on é utilizado de três formas:

  • Como marca de oralidade, substituindo o nous (nós). Mais ou menos como a palavra “gente” em português: Oui, bien sûr! On est à Paris! (Sim, claro! A gente está em Paris!)
  • Também como marca de oralidade, pode significar “tout le monde” (todo mundo): En Italie, on est gourmand! (Na Itália, todo mundo ama comer!)
  • Mas em textos escritos, ainda é utilizado como marca de impessoalidade: On voit beaucoup d’accidents au Carnaval. (São vistos muitos acidentes no Carnaval)

Notar que em francês, todo verbo, geralmente, é precedido por um nome, ou por um pronome.

Por último, também ali, no espaço dedicado à terceira pessoa, é possível notar uma singularidade: além do on, há dois pronomes, il e elle. O primeiro é masculino (ele), e o segundo feminino (ela).

Tratando-se da relação específica desses pronomes com o verbo être, é preciso dizer que eles fazem referência tanto a pessoas, como as coisas:

  • Il est beau, Tom Cruise. (Ele é bonito, o Tom Cruise.)
  • Il est beau, le Cristo Redentor. (Ele é bonito, o Cristo Redentor.)
  • Elle est belle, Claudia Ohana. (Ela é bonita, a Cláudia Ohana.)
  • Elle est belle, la cité de Paris. (Ela é bonita, a cidade de Paris.)

Le verbe être et le dialogue de base

Se existe algo que os franceses realmente levam a sério é a polidez. Trata-se de uma sociedade extremamente intimista e centrada, na qual o respeito aos direitos do indivíduo é pedra fundamental. Em locais públicos, até o contato visual é evitado. Uma tal característica social não poderia deixar de ter seu paralelo na linguagem, e talvez por isso na França resista bravamente um pronome que no Brasil já não é usado há muito tempo: o vous (vós).

Na França, o vous é utilizado como marca de polidez, sobretudo para com estranhos, ao passo que tu fica com a função de registrar as marcas de familiaridade e intimidade, ou seja, é utilizado com parentes e amigos.

Em vista disso, como é impossível ser amigo de todo mundo, pode-se dizer que o diálogo de base, em francês, dá-se com Je versus Vous.

– Vous êtes médecin, Monsieur Dupont?
– Non, je suis thérapeute.

Em português, tal diálogo seria mais ou menos o seguinte:

– O senhor é médico, senhor Dupont?
– Não, eu sou terapeuta.

No trabalho, por exemplo, caso você conheça o primeiro nome da pessoa, mas não a conheça intimamente, também se usa o vous:

  • Paul, vous êtes en retard aujourd’hui. (Paul, o senhor está atrasado hoje.)

Para finalizar, vejamos alguns diálogos com o tu:

  • Tu es là, papa? (Você está aí, papai?)
  • Marie, tu es mon amie. (Marie, você é minha amiga.)

Le verbe être et l’espace

O verbo être é essencial para a indicação de espaço e localização:

  • Je suis à São Paulo. (Eu estou em São Paulo.)
  • Je suis de New York. (Eu sou de Nova York.)

Observe que a preposição “à” indica a cidade onde se está, ao passo que a preposição “de” indica a cidade de origem. Com relação a países, a regra é a utilização da preposição “en” antes de países femininos, ou continente:

  • Je suis en Russie. (Eu estou na Rússia.)
  • Je suis en Amérique du Sud. (Eu estou na América do Sul.)

No caso de países masculinos, utilizamos “au“, em países no singular, e “aux” em países no plural:

  • Je suis au Japon. (Eu esto no Japão.)
  • Je suis aux Pays-Bas. (Eu estou nos Países Baixos.)

Expressões idiomáticas com être

Expressão idiomática é quando um termo, ou frase, adquire, num dado contexto, um significado diferente do natural. Um bom exemplo em língua portuguesa seria a expressão “fazer sala”. Em francês, com o verbo être, temos duas expressões muito utilizadas: “être en train de” e “être sur le point de“.

Com a primeira, expressamos uma ação que esteja em curso de realização, ou seja, se realizando. Sua formação básica é, sempre, a seguinte: être en train de + verbo no infinitivo

  • La planète est en train de mourir. (O planeta está morrendo.)
  • Le socialisme est e train de s’autodestruire. (O socialismo está se autodestruindo.)

Ao utilizar esta expressão, o falante enfatiza o desenvolvimento da ação. Por meio dessa expressão, o fante procura construir noções de continuidade e progressão, por isso, na tradução, utiliza-se o gerúndio, forma verbal que indica progressão e continuidade.

Entretanto, é importante não confundir esta construção verbal com o presente. Être en train de não equivale ao nosso gerúndio. Em língua francesa, prefere-se a utilização do presente:

A frase “O que você está fazendo?” seria “Qu’est-ce que tu fais?” (O que você faz? em uma tradução ao pé da letra)

A expressão anterior deve ser utilizada apenas em alguns casos específicos, quando é estritamente necessária a transmissão da noção de continuidade, de atividade que se desenrola num tempo um tanto incerto.

A seguir veremos a expressão “être sur le point de”, por meio dela, expressamos uma ação iminente que será produzida em poucos instantes. Sua formação básica é a seguinte: être sur le point de + verbo no infinitivo.

  • Le projet est sur le point d’être lancé. (O projeto está para ser lançada.)
  • Le Canada est sur le point d’établir une nouvelle base militaire. (O Canadá está para estabelecer uma nova base militar.)