500 dias de Duolingo: o que você pode (e não pode) aprender com um aplicativo de idiomas
500 dias de Duolingo

500 dias de Duolingo: o que você pode (e não pode) aprender com um aplicativo de idiomas

Aplicativos gratuitos de aprendizado de idiomas geralmente prometem o mundo, mas não espere fluência de um. Aqui está o que esperar de um aplicativo de idiomas.

Se acreditarmos nos aplicativos de aprendizado de idiomas, nunca foi tão fácil aprender outra língua. Basta gastar 20 minutos por dia por lá e você ficará fluente em pouco tempo! A realidade, porém, é muito diferente disso – e sem dúvida decepcionante para muitos.

Aplicativos como Duolingo , Memrise e Babbel prometem ensinar você a ler, escrever ou falar um novo idioma, tudo no seu smartphone. Embora sejam semelhantes em conceito, diferem muito nas suas funções:

  • Duolingo oferece uma árvore de lições de habilidades que usa exercícios de escuta e perguntas de múltipla escolha para treinar você em novas palavras e frases. Também possui recurso de pronúncia. A maioria das perguntas tem um tópico de comentários onde os usuários podem discutir uma questão específica em detalhes. O aplicativo também possui recursos de comunidade que permitem que você se conecte com outras pessoas que estão aprendendo o mesmo idioma que você.
  • Memrise oferece lições semelhantes ao Duolingo, apresentando novas palavras e frases com flashcards (cartões de memória), exercícios de escuta e muito mais. No entanto, o aplicativo tem alguns recursos exclusivos: em novas palavras, você pode escrever uma nota (chamada de “mem”) com qualquer coisa que o ajude a lembrar a nova palavra ou frase. Eles aparecerão mais tarde quando você encontrar a palavra novamente. Ele também oferece um recurso chamado Learn with locals (“aprenda com locais”) que combina palavras com vídeos de falantes nativos dizendo a frase em voz alta e demonstrando seu uso. Por exemplo, um orador pode tremer ao descrever o tempo frio. Isso ajuda a conectar as palavras com seu significado. O Memrise também oferece mais cartões explicativos do que o Duolingo ao introduzir tópicos novos ou mais complexos.
  • Babbel é diferente dos outros dois. Embora use exercícios de múltipla escolha ou de escuta semelhantes aos outros, usa exemplos de conversação para demonstrar como usar novas palavras ou frases ao falar com outra pessoa. Ele também oferece um recurso de reconhecimento de fala que permite que você responda as palavras durante um exercício, em vez de escrevê-las ou responder a uma pergunta de múltipla escolha. Isso ajuda você a aprender a pronunciar as palavras corretamente, ou pelo menos corretamente o suficiente para que reconheça o que você está dizendo.

500 dias de Duolingo

Depois de acumular uma sequência de mais de 500 dias de Duolingo – um feito que, graças aos lembretes insistentes do aplicativo, me fizeram chegar a um lugar melhor para julgar o quanto um aplicativo sozinho pode realmente ensinar. A resposta curta é que você definitivamente pode aprender algumas coisas com um aplicativo, mas se você quiser se tornar fluente em um idioma – ou mesmo conversar – não será suficiente.

Aprender uma língua

Os aplicativos de idiomas são ótimos para sistemas de escrita e frases básicas

A frase “aprender uma língua” é enganosamente aplicada. Uma linguagem não é uma via de mão única, mas sim um complexo sistema interconectado de componentes que constroem uma maneira de se comunicar. O léxico consiste nas palavras individuais, que os falantes devem memorizar. A sintaxe e a gramática dizem aos falantes como estruturar adequadamente essas palavras em uma frase. Depois, há o sistema de escrita, que é a representação visual de palavras ou sons que permitem a construção de frases (por exemplo, em inglês, o sistema de escrita é o alfabeto).

Para idiomas que têm um sistema de escrita diferente, como japonês, russo ou coreano, os aplicativos de idiomas podem ser uma excelente maneira de aprender. Duolingo e Memrise usam uma combinação de cartões de memória e exercícios simples de correspondência para treiná-lo a reconhecer símbolos em um novo sistema de escrita, enquanto Babbel dá um passo extra com explicações na aula sobre como novos símbolos ou sons funcionam.

Depois de algumas semanas ou meses de aulas consistentes, é possível aprender todos os sons e símbolos em um novo sistema de escrita. Você não conseguirá entender todas as palavras que conseguir ler, mas estará muito mais próximo do que se tivesse começado do zero. No entanto, isso é apenas parte do aprendizado de um idioma. Compreender o alfabeto usado em inglês, por exemplo, não significa que você possa entender francês ou espanhol, por exemplo.

Esses aplicativos também são melhores para ensinar frases básicas de conversação que são úteis quando você está viajando. Quando você visita uma cidade em um país estrangeiro, é útil aprender algumas frases como “Onde fica o banheiro?” ou “Quanto custa?”, mas usar um livro de “frases prontas” para memorizar essas frases em outro idioma é uma maneira rápida de saber o que deve ser dito, mas não é realmente “aprender”, é apenas memorizar.

Por exemplo, considere a frase italiana “Dov’è il bagno?”. Esta frase significa “Onde fica o banheiro?” No entanto, sem falar italiano, você pode até se perguntar qual parte dessa frase é “banheiro?”. Você poderia adaptar a frase para dizer “Onde está a porta?” ou “Onde fica o hotel?”. Os aplicativos de idiomas não ensinam apenas frases inteiras. Em vez disso, eles dividem as partes de uma frase e ensinam algumas variações diferentes para que você entenda o que está dizendo e possa ajustar o que está dizendo com base na sua situação. É uma habilidade útil de se ter, especialmente quando se viaja.

Mais importante, porém, esses aplicativos são lembretes poderosos de que aprender um novo idioma não é um trabalho de meio período. O Duolingo tem notificações infames e persistentes que o incomodam a voltar e dar atenção àquele adorável pássaro verde todos os dias. A desvantagem é que pode ser tentador “gamificar” a experiência, em vez de realmente aprender. Em dias particularmente ocupados, me peguei refazendo as primeiras lições apenas para manter minha sequência tão importante. O que leva a outra lição importante: contornar as regras em um projeto de auto-aperfeiçoamento não prejudica ninguém além de você mesmo.

O que aplicativos não podem te ensinar

Por mais útil que possa ser aprender um novo sistema de escrita ou entender frases básicas, é apenas uma pequena parte da fluência em um idioma. O que conta como “fluente” é um conceito difícil de descrever, mas o Quadro Europeu Comum de Referência para Línguas (ou CEFR) é um padrão amplamente aceito para aproximar a fluência.

Os seis níveis do CEFR são necessariamente amplos e podem se sobrepor um pouco, mas aqui está uma breve visão geral do que cada um significa:

  • No nível A1, os alunos devem conhecer frases básicas, ser capazes de se apresentar e fazer perguntas pessoais simples e entender as interações básicas se o interlocutor falar devagar. O nível A2 inclui a compreensão de expressões comuns, a comunicação sobre tarefas rotineiras e a descrição de aspectos simples do histórico do falante. Juntos, esses dois níveis compõem o estágio Básico.
  • O nível B1 começa a apresentar ideias mais complexas, como explicar suas opiniões, sonhos e ambições, ou lidar com tarefas complexas durante uma viagem. O nível B2 espera que os falantes sejam capazes de falar com falantes nativos de um idioma sem esforço e tenham discussões técnicas complexas relacionadas ao seu campo de especialização. Esses dois níveis compõem o estágio Independente.
  • Finalmente, um falante de nível C1 deve ser capaz de se comunicar de forma flexível em ambientes sociais, profissionais e acadêmicos, entender uma ampla variedade de tópicos e reconhecer significados implícitos. C2, o nível mais alto, espera que o aluno “compreenda com facilidade praticamente tudo o que ouviu ou leu” e resuma informações de diferentes fontes. Os níveis C1 e C2 compõem o estágio Proficiente.

Se ainda não é óbvio, os aplicativos de idiomas simplesmente não conseguem levar alguém ao nível C2 – ou em qualquer lugar próximo – por conta própria. Simplesmente não há lições para te ensinar, por exemplo, como ter uma conversa complexa sobre regulamentos bancários, astrofísica ou qualquer que seja sua área de especialização. Isso também significa que, se você seguir apenas os planos de aula em cada aplicativo, não se comunicará com outra pessoa. Por definição, essas duas limitações excluiriam o alcance do nível B2.

Alguns aplicativos também têm dificuldade em ensinar gramática complexa. Em japonês, por exemplo, “partículas” são partes centrais de uma frase que indicam como as palavras se relacionam umas com as outras em uma frase. Eles geralmente são escritos com os mesmos símbolos usados ​​para soletrar palavras – como “a”, que no inglês, é uma letra, mas também uma palavra por si só – o que pode ser confuso, já que o japonês não usa espaços entre palavras e símbolos.

O Duolingo geralmente lança uma nova “partícula” em você sem muita explicação sobre o que ela faz ou mesmo que é uma “partícula”. O Memrise lida com isso um pouco melhor, com aulas dedicadas a como certas partículas e gramática funcionam, mas ajuda ter aulas externas , um instrutor ou, o melhor de tudo, um falante nativo para ajudar a explicar alguns dos pontos mais sutis de nuance na gramática de um idioma .

Os aplicativos de idiomas também lutam com alguns dos aspectos não ditos da comunicação em um idioma. Para focar no japonês novamente, existem níveis distintos de formalidade e polidez que ditam a forma que uma palavra deve ter com base em seu relacionamento com a pessoa com quem você está falando. Assim, por exemplo, você pode usar uma forma de frase ao falar com um amigo, mas uma versão mais formal ao falar com um chefe.

Além disso, a linguagem corporal e a postura podem ter um impacto dramático em como sua fala é percebida, e aplicativos de linguagem tendem a não cobrir isso. Embora a compreensão da linguagem corporal não seja estritamente um requisito de qualquer nível do CEFR, é difícil navegar fluentemente em uma conversa sem uma compreensão geral do que certos gestos significam ou quais ações são indelicadas.

Mais um ponto importante, é que os aplicativos de idiomas não são outros humanos. Parece uma observação óbvia, mas todo o objetivo de aprender um idioma é se comunicar com outras pessoas. Você pode aprender quantas palavras ou frases quiser, mas até conseguir conversar com outra pessoa, você nunca será fluente. Ou, de acordo com o modelo CEFR, você não estará nem na metade do caminho.

Por esse motivo, aprender um idioma com um aplicativo deve ser um ponto de partida, não o fim. Se você passar por uma árvore de habilidades inteira e acumular 500 dias de Duolingo ou um plano de aula do Memrise, talvez seja hora de atualizar para uma aula presencial ou talvez precise encontrar um falante nativo para praticar.


Original: 500 Days of Duolingo: What You Can (and Can’t) Learn From a Language App (em inglês)

HR idiomas