Descobrindo a língua francesa: História e Origem
Museu do Louvre

Descobrindo a língua francesa: História e Origem

O francês é uma língua românica com cerca de 136 milhões de falantes nativos no mundo. É língua oficial em 30 países, a maioria dos quais integra a chamada La Francophonie, a comunidade dos países francófonos. É língua oficial em todas as agências das Nações Unidas e em grande número de organizações internacionais.

O francês descende do latim falado através do Império Romano, como também o são outras línguas nacionais como o italiano, o português, o espanhol, o romeno e o catalão, e línguas minoritárias como o provençal, o romanche e muitas outras.

Seus parentes mais próximos são as demais langues d’oïl e as línguas crioulas baseadas no francês. Seu desenvolvimento também foi influenciado pelas línguas celtas nativas da Gália antes da chegada dos romanos e pela língua frâncica dos invasores francos após a partida dos romanos.

Adicionalmente, do século XVII a meados do século XX, o francês serviu como a linguagem preeminente da diplomacia e de assuntos internacionais, bem como a língua franca entre as classes educadas da Europa. A posição dominante da língua francesa só recentemente foi tomada pela inglesa, desde a emergência dos Estados Unidos como superpotência.

Qual a língua mais falada na França?

Claro que a língua mais falada na França é o francês. Entretanto, muitas outras línguas são ouvidas pelas ruas, principalmente da capital Paris, por razão da grande imigração. Alguns exemplos são o árabe, espanhol e inglês.

A língua francesa evoluiu da língua vulgar latina, que foi usada durante o Império Romano. Acredita-se que esta língua tenha se originado na região norte da atual França e gradualmente evoluiu para o francês antigo e o francês médio, respectivamente. Hoje, o francês moderno é considerado parte da família das línguas indo-europeias e pertence ao subgrupo da língua românica.

Como língua oficial, o francês é a principal forma de comunicação usada pelo governo e pelo sistema educacional. Além disso, a lei determina que todos os contratos legais e comerciais devem estar disponíveis em francês, embora outros idiomas também sejam permitidos com uma tradução em francês. Esta língua é também uma das línguas oficiais da Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN), das Nações Unidas e da União Europeia.

Línguas regionais da França

Na França existem mais de 25 línguas regionais. Incluindo não somente as línguas da França metropolitana como também de seus departamentos e territórios ultramarinos.

As línguas regionais da França são divididas em subgrupos da família da linguagem 5: Vasconica, Italo-dálmata, Galo-Românica, Germânica e Celta. O subgrupo linguístico Galo-Românico é dividido ainda no maior número de idiomas regionais e possui o maior número de falantes.

A língua regional mais falada na França é Occitano (Língua Occitana), uma língua galo-românica, que pode ser ouvida em toda a região sul do país. Os linguistas acreditam que esta se originou no século 10, quando foi usada para escrever poesia. Quase 1.000 anos mais tarde, no final do século 19, um poeta tentou reviver a linguagem padronizando sua forma escrita.

Línguas Imigrantes Faladas na França

Além do grande número de línguas regionais faladas na França, uma grande variedade de línguas de imigrantes também se tornou uma parte importante da vida cotidiana do país. As línguas de imigrantes mais faladas na França incluem inglês, alemão, italiano, português, polonês, turco, árabe magrebino, berbere e vietnamita.

De acordo com o censo de 1999, o árabe Maghrebi é a língua de imigrantes mais falada na França. O árabe magrebino, às vezes conhecido como árabe ocidental, tem origem e é falado principalmente na Argélia, Marrocos, Líbia e Tunísia.

De onde surgiu a língua francesa?

Os gauleses foram os primeiros habitantes da França, porém, com a conquista do território pelos romanos no século I a.C., as tribos gaulesas abandonaram a língua celta e adotaram o idioma das legiões romanas, o ‘latim popular’, além claro de acolher as práticas culturais e instituições políticas.

No início do século XVII, François de Malherbe triunfou ao definir uma norma exata para usar palavras francesas em suas obras poéticas e críticas. Um passo decisivo para a reforma foi a compilação do ‘Dicionário’ patrocinado pelo cardeal Richelieu no século XVII, na fundação da Académie Française (1635). Durante o reinado de Luís XIV, o idioma alcançou o ponto culminante de sua história, convertendo-se em língua internacional da Europa, sobretudo no âmbito diplomático e científico.

Durante o colonialismo entre os séculos XVII e XX, a língua francesa expandiu as fronteiras, tornando-se presente em diversos lugares do mundo como na América, África, Polinésia, Sudeste Asiático e Caribe. O império francês atingiu sua extensão máxima no período de 1812, com quase toda a Europa ocidental e grande parte da oriental ocupadas pelo imperador Napoleão Bonaparte.

Durante a alta idade média, começaram a evoluir duas línguas diferentes: a langue d’oïl, ao norte do rio Loire, e a langue d’oc, ao sul. De cada uma delas originaram-se vários dialetos. Por questões econômicas, políticas e culturais, a língua do norte prevaleceu e foi escolhida para ser a “oficial, tornando-se o francês contemporâneo. Atualmente ele foi adotado pela ONU como o segundo idioma de diálogo internacional mais falado no mundo.

O francês tem cerca de 136 milhões de falantes nativos no mundo, ou mais de 200 milhões se incluídos os que a falam como segunda língua ou como língua estrangeira. É a língua oficial em 30 países e de várias organizações internacionais, entre elas as Nações Unidas.

Quem regula a língua francesa?

A língua francesa é regulada pela Académie française (Academia Francesa) fundada por Richelieu em 1635, sob o reinado de Luís XIII de França. É uma das mais antigas instituições francesas. É composta por quarenta membros, os chamados «Quarenta», os «Imortais».

A Académie française é uma associação composta pelas mais proeminentes pessoas instruídas nos assuntos relativos ao idioma francês. Foi criada em 1635 por Richelieu, o principal ministro e o homem-forte do reinado de Luís XIII.

Fechada em 1793, durante a Revolução Francesa, foi novamente instituída por Napoleão Bonaparte, em 1803. É a mais antiga das 5 academias que compõem o Instituto da França. A Académie compõe-se de quarenta membros conhecidos por Immortels (“Imortais”), sendo que os novos membros são eleitos pelos mais antigos. Uma vez ingressado em seus quadros, ali permanece por toda a vida.

Porque estudar Francês?

O francês é a língua da diplomacia e de uma das mais celebradas literaturas da história, não tem apenas charme e sofisticação, mas é um idioma valorizado no mercado e que abre muitas portas no mercado de trabalho.

Quais são os países que falam francês?

Países que utilizam o Francês como Língua Oficial:

  • Bélgica
  • Benim
  • Burkina Faso
  • Burundi
  • Camarões
  • Canadá
  • República Centro-Africana
  • Chade
  • Comores
  • Costa do Marfim
  • República Democrática do Congo
  • Djibuti
  • Guiné Equatorial
  • França
  • Gabão
  • Guiné
  • Haiti
  • Luxemburgo
  • Madagascar
  • Mali
  • Mônaco
  • Níger
  • República do Congo
  • Ruanda
  • Senegal
  • Seychelles
  • Suíça
  • Togo
  • Vanuatu

Países onde o francês é língua co-oficial ou administrativa/cultural:

  • Argélia
  • Camboja
  • Laos
  • Líbano
  • Marrocos
  • Maurícia
  • Mauritânia
  • Tunísia
  • Vietnã

Outras regiões e dependências francófonas:

  • Vale de Aosta (Itália)
  • Guiana Francesa (França)
  • Polinésia Francesa
  • Guadalupe
  • Guernsey
  • Jersey
  • Louisiana (USA)
  • Maine (USA)
  • Martinica
  • Mayotte
  • Nova Caledônia
  • Índia Puducherry
  • França São Bartolomeu
  • Saint-Martin
  • Saint-Pierre e Miquelon (França)
  • Wallis e Futuna
Aprender Francês