Reforma ortográfica alemã de 1996

Reforma ortográfica alemã de 1996

A reforma da ortografia alemã de 1996 (Reform der deutschen Rechtschreibung von 1996) foi um acordo firmado em Viena em Julho de 1996 pelos governos dos países de língua alemã (Alemanha, Áustria, Liechtenstein e Suíça). O Luxemburgo, país trilíngue, sendo o alemão uma das línguas oficias, não apoiou esta reforma, mas segue as regras definidas por esta.

Das 212 regras que regiam a ortografia alemã, restaram 112. Embora o número de regras tenha sido reduzido, o número de exceções às regras subiu proporcionalmente.

De acordo com a decisão do Tribunal Constitucional Federal da Alemanha, fora do sistema de ensino qualquer cidadão é livre de escrever como entender, já que não há uma lei aprovada que delibere uma ortografia oficial do país. A nova ortografia só obrigatória apenas nas escolas.

Como consequência, a maioria das pessoas continua a usar a ortografia tradicional alemã. Segundo os críticos isto tem resultado numa insegurança geral e no risco de Beliebigkeitsschreibung (grafias arbitrárias). Por exemplo, entre a tradicional Schloßstraße (rua do castelo) e a nova Schlossstraße podem surgir versões erradas, como Schloßstrasse ou Schlossstrasse; apesar desta última forma ser a correta na Suíça, onde o ß há muito caiu em desuso.

Novas regras

A nova ortografia (Neue Rechtschreibung) é uma tentativa de simplificar a escrita, tornando mais fácil a sua aprendizagem, sem alterar substancialmente as regras básicas do alemão. As novas regras centram-se nos seguintes pontos:

  • correspondência entre letras e sons (incluindo os estrangeirismos)
  • uso das maiúsculas
  • palavras que se escrevem juntas ou separadas
  • uso do hífen
  • pontuação
  • separação das palavras no final da linha

Os topónimos e os apelidos não são afetados por esta reforma.

Sons e letras

A reforma pretende sistematizar a correspondência entre os sons (fonemas) e as letras (grafemas) e fortalecer o princípio de que as palavras derivadas devem escrever-se da mesma forma da original.

ß e ss: um grande mito desta reforma ortográfica é que se quer acabar com a letra ß. A única coisa que muda é o seu uso: com a nova reforma, ß só aparece atrás de vogais longas e ditongos. Atrás de vogal curta escreve-se “ss” ou “s”.

  • der Fluß der Fluss (o rio)
  • Ich möchte, daß du kommst. → …, dass du kommst (eu quero que tu venhas)
  • mas das Haus das Haus (a casa)

Tal como antes da reforma, na Suíça e no Liechtenstein usa-se “ss” em lugar de “ß”. Na Alemanha e na Áustria mantém-se sob as novas regras simplificadas. O “ß” pode ser substituído por “ss” se não se puder escrever por motivos técnicos. Tal como antes da reforma, “ß” não existe em maiúsculas. Se houver que escrever em maiúsculas, escreve-se sempre “SS” em lugar de “ß”: por exemplo, Fußball (futebol) passa a FUSSBALL em maiúsculas.

As consoantes triplas deixam de reduzir-se a duas:

  • Schiffahrt Schifffahrt de Schiff + Fahrt (viagem de barco)

As consonantes duplas escrevem-se depois de vogais curtas, mesmo que vão no final de palavra, em consonância com as formas plurais:

  • As Ass fazendo o plural Asse (ás, ases)

Mudanças vocálicas, especialmente “ä” por “e”, ou vice-versa, para ficar em consonância com a família das palavras:

  • Stengel Stängel (haste) por causa de Stange (barra)

Outras mudanças menores para reduzir a grande quantidade de exceções e escritas alternativas:

  • rauh rau (cru) por causa de bau, grau, genau

Vários empréstimos de origem estrangeira agora têm uma ortografia mais próxima do alemão. Especialmente os sufixos -phon, -phot e -graph, que agora se podem escrever com f.

Maiúsculas

A reforma tenta uniformizar o uso das maiúsculas nos nomes e clarificar os seus critérios de utilização.

  • infrage stellen in Frage stellen (pôr em questão; Frage -questão- é substantivo e deve ir em maiúsculas)
  • eislaufen Eis laufen (patinar sobre gelo; Eis -gelo- é substantivo)

Agora permite-se o uso de maiúsculas após dois pontos. As maiúsculas de cortesia usadas em cartas nas palavras du, dein, ihr, euch ficam abolidas, apesar de se manterem nas formas formais Sie e Ihnen.

Palavras compostas

Como antes, os nomes compostos escrevem-se juntos, mas outro tipo de compostos passam a escrever-se separados.

Os compostos de substantivo e verbo geralmente separam-se:

  • radfahren Rad fahren (conduzir bicicleta)

Os verbos compostos com um infinitivo separam-se:

  • kennenlernen kennen lernen (conhecer pela primeira vez)

Outras construções admitem agora grafias facultativas:

  • an Stelle von ou anstelle von (em lugar de)

Há mudanças subtis no significado, quando as novas formas coincidem com formas já existentes:

vielversprechend viel versprechend (literalmente “prometendo muito”; no entanto, o significado da primeira forma é “muito prometedor” enquanto que a segunda forma significa “prometedor de muitas coisas”)

Exceções

Sobrenomes: estão completamente excluídos das regras e não são afetados pela reforma; isso também se aplica a nomes próprios.

Nomes de locais: não estão estritamente sujeitos às regras. O Ständiger Ausschuss für geographische Namen (Comité Permanente dos Nomes Geográficos) alemão recomenda vivamente a aplicação das regras para novos nomes, mas salienta que tal se aplica apenas quando são atribuídos novos nomes ou quando as autoridades competentes decidem modificar os nomes existentes.

Conheça a História da reforma ortográfica de 1996 e Aceitação da reforma


Fontes: Reforma ortográfica alemã de 1996