Bebês lembram de línguas que ouviram nos primeiros meses de vida

Bebês lembram de línguas que ouviram nos primeiros meses de vida

Quem ouviu um idioma apenas nos primeiros meses de vida vai ter mais facilidade para aprendê-lo depois.

Você fala só português, aí resolve fazer um curso de alemão e descobre que tem uma facilidade imensa para o idioma. Pode ser que você tenha um bom aprendizado, mas uma equipe de pesquisadores da Universidade Hanyang, em Seul (Coreia do Sul), tem outra explicação: a de que aprendemos línguas quando ainda somos bebês.

No estudo, publicado pelo Royal Society Open Science, adultos sul-coreanos, que foram adotados por famílias holandesas quando ainda eram bebês, superaram as expectativas na pronúncia de sua língua natal depois de receberem um curso rápido.

O grupo analisado foi comparado com adultos que nunca tiveram contato com o idioma coreano na infância. Ambos foram avaliados por coreanos nativos. Antes do treinamento, os dois grupos tiveram o mesmo desempenho. Mas, depois das aulas, as pessoas adotadas tiveram resultados surpreendentes ao falar o coreano – mesmo com consoantes totalmente diferentes das existentes em holandês.

A pesquisa é a primeira a mostrar que o contato precoce de crianças adotadas com a sua língua nativa se tornaria importante décadas depois, quando elas acreditavam ter esquecido o idioma.

“A descoberta indica que o conhecimento da linguagem é armazenado já nos primeiros meses de vida, ficando preservado mesmo quando não é usado e podendo ser revelado quando se reaprende a língua”, explicou Jiyoun Choi, uma das responsáveis pelo estudo.

Não houve diferença entre os que foram adotados com seis meses de idade (antes de desenvolver a fala) e os que foram adotados com 17 meses. A Dra. Choi ainda deixou um recado para os pais: “Por favor, lembrem-se que o processo de aprendizado da linguagem começa muito cedo. Tente falar com o seu bebê sempre, porque ele está absorvendo e digerindo o que vocês está dizendo”

Não é novidade que esse processo começa ainda na barriga, quando os bebês já conseguem reconhecer a voz da mãe. O que não se sabia até agora era que a aquisição precoce da linguagem é de natureza mais abstrata do que prática.


Fonte: Superinteressante