Mmode ‘e dicere – expressões napolitanas

Mmode ‘e dicere – expressões napolitanas

Conheça algumas expressões idiomáticas (italiano: modi di dire / napolitano: mmode ‘e dicere) em napolitano, língua falada em Nápoles e com variações na região da Campânia, no sul da Itália.

‘O vin’ è vin’ quann’ sta ind’a’ vott’

Tradução literal: “O vinho é vinho quando está na garrafa/barril”. Equivalente à expressão “Não coloque a carroça na frente dos bois”. Nunca tome algo como certo até que você esteja 100% certo de que se tornou realidade.

Tené ‘a capa sulo pe spartere ‘e rrécchje

Tradução literal: “Ele só tem a cabeça para separar os ouvidos”. Equivalente à expressão “Ele é burro como uma porta” para chamar alguém de “burro” – dizer que uma pessoa não é inteligente.

Tené ‘a capa fresca

Tradução literal: “Ter a cabeça fria”. Ou seja, não ter mais nada para pensar ou se preocupar.

Tené ‘a capa sciaqua

Tradução literal: “Ter a cabeça limpa” (sem nada dentro). Ou seja, outra forma de chamar alguém de “burro” – com pouca inteligência.

Chell’è l’urdemo lampione ‘e Forerotta

Tradução literal: “Esse é o último poste de iluminação em Fuorigrotta” (um bairro de Nápoles), semelhante à nossa expressão “Ele é um zé ninguém”.

*Forerotta (em italiano Fuorigrotta), literalmente “fora da gruta”, era um bairro de subúrbio isolado de Nápoles e hoje é o mais populoso da cidade.

Addò t’abbie?

Tradução literal: “Onde você começa?”. Equivalente à expressões como “onde você pensa que está indo?”, “o que você falou não faz o menor sentido” ou “quem você pensa que é?”.

Facimme na cosa ‘e juorno!

Tradução literal: “Vamos fazer uma coisa durante o dia!”. Quando se quer dizer para alguém fazer algo “rápido”, sem demora ou enrolação, com rapidez.

Ogne ddoje e ttre

Tradução literal: “A cada dois ou três”. Para dizer que algo acontece com frequência, “muitas vezes”.

Pe vintinove e ttrenta

Tradução literal: “Por vinte e nove e trinta”. Equivalente à expressões em português “por um fio de cabelo”, “no último minuto”, “aos 45 minutos do segundo tempo”.

Sî brutte comme ‘o débbeto / comme ‘a fame ‘e notte!

Tradução literal: “Você é feio como uma dívida” ou “como a fome à noite”. Utilizada para dizer que algo ou alguém “é muito feio”.

Ma che, hê ‘a ì â vénnere ‘o llatte!

Tradução literal: “Você tem que ir e vender o leite!”. Expressão utilizada para questionar alguém o motivo de levantar da cama tão cedo.

Ma cche staje faccen’? O ppane?

Tradução literal: “O que você está fazendo? Está fazendo pão?”. Equivalente a dizer “Por que você está levando tanto tempo?” – quando alguém está demorando demais para terminar algo.

Ma che s’hè dato (dinto a ‘sta càsa)

Tradução literal: “Mas o que aconteceu (nessa casa)”. Particularmente utilizada após uma série de eventos negativos, em tempos difíceis, “o que foi isso tudo que passamos?”

Famme vedé!

Tradução literal: “Deixe-me ver!” ou “Apenas me mostre!”. Expressão para pedir que alguém mostre algo sem necessariamente ter que dar nenhuma explicação adicional ao que aconteceu.

Aggio fatto ‘o ggiallo

Tradução literal: “Ele fez o amarelo”. Quer dizer, “ele se assustou”, utilizada para se referir a alguém que se assustou.

Tutto ‘o blocco

Tradução literal: “O bloco inteiro”, ou seja, “em resumo”, “em tudo isso”.

O ‘e rippe o ‘e rappe

Equivalente à expressão “de uma forma ou de outra”.

Nu sputà ‘ncielo ca ‘nfaccia te torna

Tradução literal: “Não cuspa no céu, vai cair em seu rosto.” Equivalente a dizer “o que vai volta.”, “não morda a mão que te alimenta”, “não cuspa para o céu”.

Dicette ‘o pappece vicino a’ noce: damme o’ tiempo ca te spertoso!

Tradução literal: “Disse a mariposa da noz: me dê o tempo que eu preciso”. Expressão para pedir a alguém que dê o tempo necessário para que a explicação seja dada ou que a verdade seja mostrada.

Chiste s’arrecorda do cippo a Furcella

Expressão utilizada para indicar que algo é muito antigo ou muito velho, equivalente à “do arco-da-velha”, “do tempo do Onça”. Forcella (Furcella em napoletano) é um distrito de Nápoles onde as penas capitais eram executadas

Chisto s’arrecuorda ê tiempe de Burbune

Expressão também utilizada para indicar que algo é muito antigo ou muito velho, equivalente à “do arco-da-velha”, “do tempo do Onça”. Remonta ao tempo da família dos Bourbons (em italiano: Bornone), ou seja, “agora é algo muito antigo”.

Chisto s’arricorda ê tiempe ‘e Pappagone

Outra expressão para se referir a algo “muito velho” ou “muito antigo”. Faz referência ao tempo do Pappagone (Gaetano Pappagone), uma personagem de televisão interpretada pelo ator Peppino de Filippo em 1966-67.

Me pare ‘o nonno mìo

Tradução literal: “Você se parece com meu avô”.

Tene ‘e capille ‘nzevate

Tradução literal: “Seu cabelo é oleoso”.

Tengo na sfaccimma ‘e famme

Tradução literal: “Estou com tanta fome”. Sfaccimma é um termo napolitano vulgar, do mesmo nível e equivalente ao “cazzo” em italiano,

E mo jammo a parià…!

Tradução literal: “E agora vamos nos divertir!”. Expressão utilizada para dizer que “agora é nossa vez!” no sentido de ser a “hora da vingança”.


Encontre abaixo uma lista de expressões idiomáticas napolitanas. Seus significados e traduções ainda estão “em construção”, caso queira nos ajudar, acesse nosso canal de ideias e sugestões.

A

A bbona ‘e Ddio
‘A campana primma dice “dongo” e poi dice “damme”
Addò liéve e nun nce punne, sùbbeto nce pare lu funno
‘A macchinetta ‘e Onna Richetta
Arape ‘a vocca comme a nu cesso
Aùmmo aùmmo
‘A gallina fa ll’uovo e a ‘o vallo nce abbruscia ‘o culo
Aggio perzo Filippo e ‘o panaro
‘A mala nuttata e ‘a figlia femmena
‘A mala nova ‘a porta ‘o viento
Alleria ‘e piazza, tribbule ‘e casa
A ccarocchia a ccarocchia, Pulecenella accedette ‘a mugliera
Armammoce, e gghiate!
A jatta quanno nun po’ arrivà a ‘o lardo, dice ca fete.
Addò fieto he’ fatto ‘o callo!

B

Bello e buono…

C

Campà annascuso d’ ‘o Pataterno
Chi chiagne, fotte a chi ride
Chillo vò trasì, pe’ forza, dinte ‘a scazzetta d’ ‘o preveto
Chi nun tene curaggio, nun se cocca cu ‘e femmene belle
Chiove a zeffunno
Crik cummanna a Crok
Cu ‘n’ uocchie frije ‘o pesce e cu ‘n’ato guarda ‘a jatta
Curto e malencavato
Chi cumanna nun suda
Chianu chiano, cu nu poco ‘e vasellina ll’elefant’ ‘o mettette ‘n culo ‘a gallina
Ciento niente accerettero ‘o ciuccio!

Chi m’a’ cecat?
“Quem me cegou?”. Uma expressão figurativa para dizer: “Quem me obrigou a fazê-lo”, “fiquei cego para não ver que realmente não valia a pena?”.

D

Dicette ‘o pappice vicino ‘a noce: “Damme ‘o tiempo ca te spertoso”
Doppo tant’anne ca è muorto Pieto, mò te n’adduona d’ ‘o fieto

E

È accuppatura de’ fasule
È ‘a fina d’ ‘o munno
È cchiù a spesa c’ ‘a ‘mpresa
È gghiuto ‘a acito’
È gghiùte a fernì ‘a carne ‘a sotto e ‘e maccarùne ‘a coppa
È gghiuto c’ ‘a capa dinte ‘o sicchio
È nu perocchie ‘e merda
È nu strunzo c’ ‘o core
E pigliàto ‘a ruciuliàta
Esce p”a porta e trase p’ ‘ a fenèsta
E po’ dice ca Pasca vene ‘e sabato
E pigliàto ‘o cazz p’ ‘a banca ‘e ll’acqua
E pigliàto ‘o cazz p’ ‘a butteglia ‘e ll’uoglio
E pigliato ‘o cazzo p’ ‘a lanterna ‘o muolo

F

Fà ‘a nuttata chiara chiara
Facèsse na culàta e ascèsse ‘o sole
Farse ‘a barba a zzizza ‘e pacchiàna
Farse ‘a croce cu ‘a mana smerza
Fernì a tarallùcce e vino

G

Giorgio se ne vò ji e ‘o vescovo n’ ‘o vò mannà
Già saje

I

I’ vengo d’o muorto e tu dice ca è vivo
I’ dico l’asteco e tu capisce a fenesta

J

Jirse a curcare comm’ê ggalline

L

L’asteco chiove e ‘a fenesta scorre.
Levàteme ‘o “don” e aumentàteme ‘a semmana
L’uòcchie sò peggio de’ scuppettàte
L’acqua è ‘ppoca e ‘a papera nun galleggia
L’acqua fa affunnà i bastimiente
L’ acqua ‘nfraceta ‘e bastimiente a mare

M

Manca l’asso, ‘o doje e ‘o tre
Manna’ a accatta’ ‘o ssale
Manna’ a accatta’ ‘o ppepe
Mazza e panelle fanno e figlie belle , panelle senza mazze fanno e figlie pazze
Mazzàte ‘a cecàte
Mbruscenàrse dinte ‘a farina
Me pàreno Crik e Crok
Me pare na mùchia sorda
Me pare peggio ‘e n’ebreo
Me stò puzzanno ‘e famme
Me staie purtanno pe’ viche
Me stò puzzanno ‘e friddo
Me taglio ‘e cchiù luònghe
Miètte ‘a recchia nterra e vide che se dice…
Me prorono e mmane
Muscio nun te ‘o siente e tuosto te fa male

Menamm’e’mman
“Mãos à obra!”. Diz-se quando há um trabalho importante a ser feito e se preocupa em fazê-lo imediatamente e bem-feito.

Me stai facenno na’ capa tanta
“Você está fazendo minha cabeça ficar grande”. Seus problemas estão fazendo muito mal para mim, estão tornando a minha vida difícil, seus problemas estão causando dor de cabeça em mim.

Ma tu che tieni ‘ncapa?
“O que você tem na cabeça?”. Suas ideias e suas intenções não fazem sentido, não atendem a critérios de particular seriedade e inteligência.

N

‘Na scarrecàta ‘e pàcchere
Nce n’ha dato, una pe’ bèvere e n’ata pe’ sciacquà
Nce n’ha ditto, una pe’ bèvere e n’ata pe’ sciacquà
Nce vulèsse na cucchiàra ‘e càvece mmocca
Nu cuòfeno ‘e mazzàte
Nun ammiscàmmo ‘a lana cu ‘a seta
Nun è doce ‘e sale
Nun facìmmo ascì ‘o grasso ‘a fora ‘a pignàta
Nun fa pirete a chi tene culo
Nun magna pe nun cacà
Nun pave manco ‘e Ssante Messe
Nun truova pace (Vide pure: “Tene l’artéteca”)
Nce stanno uommene, ummenicchie, e quaquaraquà
Nun fà ‘o pireto ‘cchiù gruosso ‘do culo!
Nun aìza nu cato d’acqua a’terra

Nun me passa manco p’a’ capa
“Nem me passa pela cabeça”. Ou seja, este é um assunto que não tem o menor interesse para mim.

Ntiemp’e’ tempest ogni pertus è puort’
“Quando o tempo está tempestuoso, cada buraco pode ser um porto”.

Nun c’accerit’a’ salute! / Non ci ammazzate la salute!
Não nos atormente com seus problemas e frustrações.

O

‘O ccummanna’ è meglio d’ ‘o ffottere!
‘O vallo fotte e se scorda
‘O vallo è zumpato ‘ncuollo a gallina!
‘O patapàte ‘e l’acqua
‘O patatèrno s’è scurdàto ‘e l’acqua
O rippa o rappa
O stuorto o muorto
‘O tiempo s’è miso mpucundrìa
‘O cero fernesce e ‘a prucessione nun passa
‘O vino fa sanghe e l’acqua fa jettà ‘o sanghe
‘O pizzo cchiù friddo è ‘o fuculare

Ogni scarrafone è bello ‘a mamma soia
“Toda barata é bela para sua mãe”. O amor materno é tão intenso que uma mãe vai amar profundamente seu filho, achando-o belo e muito doce, mesmo que tenha sido realmente um inseto sujo e repulsivo.

‘O purpo se coce ind’a’ l’acqua soja
“O polvo cozinha em sua própria água”. Se alguém fizer algo errado, algo que o enfureça, talvez até lhe cause raiva, se você tiver certeza de que está certo, não se preocupe com isso, não lamente, não arruíne seu fígado: mais cedo ou mais tarde, as circunstâncias lhe darão razão e virão as consequências.

P

Pàcchere a tarantèlla
Parlà a schiòvere
Patapàte ‘e ll’acqua

Piglià nu bagno
Praticànno c’ ‘o zuòppo se ‘mpara a zuppechià
Pure ‘e pùlece tèneno ‘a tosse
Prumètte certo e vene meno sicuro
Pe’ ‘tramente

Pecché nun t’ chiamm’o’ Patatern?
“Por que o Pai Eterno não o chama?”, um desejo de que você retorne ao Criador o mais rápido possível.

Puozz’ passa’ nu vuaio
“Que você se meta em apuros”, um desejo, em sentido irônico, de que algum acontecimento ruim lhe aconteça.

Q

Quanno bbuono bbuono…
Quanno bbuono bbuono, cchiù nera d’a mezanotte nun po’ ‘venì

Quann’ buon’, chiù nir’ ra’ mezanott nun pot’ess’r
Aconteça o que acontecer, nada pode ser mais escuro que a meia-noite. Mesmo quando parece que as coisas estão ficando cada vez piores, mais cedo ou mais tarde você alcançará um limite além do qual só poderá melhorar. Frase citada por Pino Daniele refutando as famosas “Leis de Murphy.

R

Rafanie’ fatt’accattà ‘a chi nun te sape!

S

Schezzechèa, ma doce doce
Sciaqua Rosa e bive Agnese, ca nce stà chi nce fa ‘e spese.
Scutuliàrse ‘e pùlece ‘a cuòllo
S’è arapùto ‘o cielo
Se fa notte e marìtemo nun s’attèrra
S’è mmiso ‘o scuòrno nfàccia
Se rispètta ‘o cane p’ ‘o padrone
Se so’ abbuffàte ‘e mazzàte
Si arrivato a Roma e nunn’è visto o papa
Si na bellezza ‘e mare, nu purpo affocato (pure, Si na bellezza ‘e ceramica: nu cesso scardato).
Sparte ricchezza e addeventa puvertà.
Stà allisciànno n’atu tre…
Stà sott’ ‘o pacchero
Stà tutta sbattùta
Stai durmenno cu ‘a zizza mmocca!
Storta va, dritta vene

Stai int’o’ ventre r’a’ vacca
“Você está no ventre de uma vaca”. Você está felizmente seguro, sem problemas ou aborrecimento algum.

Stai ancor’ attaccat’ a’ pettul’e’ mammet’
“Ainda agarrado às dobras da saia de sua mãe”. Dito de alguém que agora atingiu uma idade que pode ser considerada adulta, que deveria ser capaz de viver sua vida de forma independente e tomar suas decisões de forma responsável, mas que, em vez disso, continua pendurado em cada palavra de sua mãe e não consegue se livrar de sua presença e proteção, como se ele ainda fosse uma criança.

T

Te fetano ‘e ccarne
Te manca l’asso, ‘o doje e ‘o tre
Tenè ‘a capa ca và a viènto
Tenè ‘a capa sulo pe’ spàrtere ‘e rècchie
Tenè ‘a fàccia de’ ccorne
Tenè ‘a faccia de’ zòccole vecchie
Tenè ‘a purpetta mmocca
Tena ‘a sciòrta cchiù nera d’ ‘a mezanòtte
Tenè l’uòcchie ncuòllo
Tenè ‘a votta chièna e ‘a muglièra mbriàca
Tene ‘o vacìlo d’oro e nce jetta ‘o sango a dinto
Te sì pigliàto a chillo pe’ cupièrchio
Te tengo appìso a l’ùrdemo buttòne d’ ‘a vrachètta
T’ hè fatto ‘e cunte senza ‘o tavernàro
T’ hè rusecato ‘a funa
Trase p’ ‘ a porta e esce è p”a sacrestìa
Trase ‘e sicco e se mètte ‘e chiàtto

Te ne facc’ jì carrec’e’ maraviglj
“Vou te mandar embora carregado de maravilhas”. Vou bater tanto em você que quando chegar em casa você vai passar dias inteiros pensando se isso realmente aconteceu ou talvez tenha sido apenas um pesadelo.

U

Uocchije ca’ nun ver’, cor’ ca nunn’arresidera
“Olho que não vê, coração que não deseja”. Princípio particularmente adequado ao modo de vida no mundo moderno, onde só a imagem conta, o que você vê, não o que você é.

V

Vaco a Puortece pe na rapesta (pure: vaco a Sessa pe’ n’ uosso)
Vaco pe’ me fà ‘a croce e me ceco ‘n uòcchie
Va truvànno ‘o cocco ammunnàto e bbuòno
Va truvànno a Cristo ‘a dint’ ‘e lupìni
Votta ‘a pretèlla e nascònne ‘a manèlla!
Vulerse magnà miezo munno (‘e chi fà avvere’ n’arraggia granne assaje).
Vénnere ‘a pellecchia ‘de perucchie
Và te fà na’ cacata pe’ tterra ‘o muro!
Vicino ‘o cane lupo fa ‘zù zù’ (oppure: Vicino o masto ‘mò to’ ‘ntosto!’

Va’fangul a te e tutta ‘a razza toia
“Vá se f*der você e sua raça inteira”. Você está convidado alguém a “ir para aquele lugar” e este convite é estendido a todos os membros de sua “família”.

Z

Zittu zittu e cacchio cacchio
Zittu zittu, mmieze ‘o mercato
Zumpà da l’asteco ‘a fenesta

Aprender Italiano